Vaticano pode reconhecer Monsenhor Domingos como Santo

postado em: Publicações | 0

O processo de beatificação de Monsenhor Domingos Evangelista Pinheiro teve sinal verde do Vaticano e começou a ser realizado no sábado, 15/09. Nascido em Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, o missionário e fundador da Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade dedicou a vida aos pobres, à evangelização e à formação das primeiras professoras negras do Brasil.

“Monsenhor Domingos era o ouro da nossa terra. Chamado de ‘Evangelista da Piedade’, sempre teve os olhos voltados para os pobres. Temos uma data importante, pois hoje é o dia da padroeira dos mineiros, Nossa Senhora da Piedade”, disse o arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo. Com a abertura do processo, o monsenhor se torna Servo de Deus.

Um dos feitos marcantes de Monsenhor Domingos foi acolher na instituição de ensino criada por ele meninas libertas pela Lei do Ventre Livre. Embora não cativas, essas crianças estavam em situação difícil, pois seus pais ainda eram escravos. Sensibilizado, e com o propósito de contribuir para a verdadeira libertação da população negra, o monsenhor criou o Asilo São Luís – atualmente Recanto Monsenhor Domingos , em 1878, formando a primeira turma de professoras negras do Brasil, que continuaram o trabalho de formação das crianças. “No coração de Monsenhor Domingos surgiu o apelo evangélico de trabalhar, continuamente, o processo de conversão para transformar, por dentro, as estruturas da sociedade, para se respeitar e promover a dignidade”, comentou durante entrevista aos veículos de comunicação nacional Madre Teresa Cristina Leite.

A religiosa também informou que há registros de milagres concedidos por intercessão do fundador da congregação. O primeiro ocorreu ainda no século 19, quando um grupo de irmãs se queixou de que não havia nada para comer e distribuir às pessoas e crianças atendidas. Com tranquilidade, o monsenhor pediu que elas voltassem à cozinha, e, para surpresa geral, as panelas estavam cheias de comida. Outro milagre diz respeito à cura de uma religiosa da congregação.

O postulador do Vaticano, Paolo Villota, ressalta a coragem de monsenhor Domingos, “que enfrentou o seu contexto histórico e ofereceu ajuda aos negros, aos escravos. É também o primeiro brasileiro a fundar uma Congregação Religiosa, um feito a ser destacado”.

Convém destacar também que o candidato a beato foi o primeiro padre diocesano brasileiro a fundar uma congregação no país, algo até então restrito a estrangeiros.

Estiveram presentes, além dos fiéis e moradores da região, religiosas, estudantes, professores e funcionários vindos dos colégios e obras sociais da Congregação por ele fundada: Minas Gerais, Maranhão, Rio de Janeiro e Distrito Federal.

Encerrando a solenidade do dia, a relíquia do Servo de Deus, que esteve durante toda a cerimônia no altar, também obedeceu ao rito da Santa Sé e foi levada em procissão no carro do Corpo de Bombeiros com escolta da Polícia Militar de volta ao seu local de origem no Recanto Monsenhor Domingos, onde também viveu Irmã Benigna Victima de Jesus (1907-1981), cujo processo de beatificação, aberto em 2011, tramita na Santa Sé desde 2013.

 

 

 

 

 

Certamente, 15 de setembro de 2018 foi um dia para ficar na história!

VEJA AS FOTOS!